QUE PROFESSOR DE PORTUGUÊS QUEREMOS FORMAR? Por Magda Soares

Resenha Crítica

“Em seu artigo, Magda Soares afirma que a disciplina “Língua Portuguesa” só passou a existir nos currículos escolares nas últimas décadas do século XIX, o processo de formação do professor para tal disciplina só teve início nos anos 30 do século XX”. Sabendo-se que o tempo passado desde a chegada, aqui, dos primeiros colonizadores europeus, pode-se tomar os cento e poucos anos da disciplina e os quase oitenta de preocupação com a formação dos professores como coisa recente. Porém, é importante avaliar que a Língua Materna teve funções políticas, econômicas e sociais, geralmente vinculadas a uma pedagogia com função discriminatória e elitista. Além disso, a formação da nação brasileira foi composta de múltiplas raças onde emergem, no nível popular, coloquial, práticas de língua que definem muitos aspectos da tradição que correm o risco de desaparecer sob os influxos da indústria cultural massiva. Em meados do século XVIII, o Marquês de Pombal torna obrigatório o ensino da Língua Portuguesa em Portugal e no Brasil. No entanto, Trata-se de um ensino moldado ao ensino do Latim como o aprendiam os poucos que podiam aprender. Foi assim que, quase um século após, em 1837, no “Colégio Pedro II, que foi o modelo para o ensino secundário em nosso país. Este tipo de ensino manteve esta característica até metade no século XX, quando houve nasce a democratização. Os resultados dessa improvisação estão destacados nos textos pela autora que afirma: “em virtude das camadas menos desfavorecidas de alunos irem para a escola e aumentar em demasia o número de escolas, ocorreu um recrutamento maior e menos seletivo dos professores”, também “as condições escolares e pedagógicas, as necessidades e exigências culturais outras. É nessa época que se intensifica o processo de depreciação da profissão docente: a necessidade de contratação de professores faz com que rebaixe o salário do magistério e piore as condições de trabalho.

Quais estratégias de facilitação de sua atividade docente os professores procuraram? Uma delas é transferir ao livro didático a tarefa de preparar aulas e exercícios. O rebaixamento salarial e a perda de prestígio da profissão docente, muda a clientela dos cursos de Letras, que começam a atrair para o magistério indivíduos oriundos de contextos pouco letrados. Claro que não só no curso de Letras, mas em toda rede de magistério. Tal achatamento da profissão e da escola como formadora de subjetividades está associada a uma sociedade iletrada, ainda aqui marcada pela aparência de um sistema antes do que um sistema de transformação social. Tratou-se sempre de uma cultura da reprodução e de uma pedagogia da transmissão

A partir de 1980 começaram a surgir teorias inicialmente, a Lingüística, mais tarde, a Sociolingüística, ainda mais recentemente, a Lingüística Aplicada, a Psicolingüística, a Lingüística Textual, a Pragmática a Análise do Discurso, só nos anos 90 essas ciências começam a chegar à escola, “aplicadas” ao ensino da língua materna. Além de três novas áreas de estudo introduzem a necessidade de orientar o ensino da língua também por perspectivas históricas, sociológicas e antropológicas: a História da Leitura e da Escrita, a Sociologia da Leitura e da Escrita, a Antropologia da Leitura e da Escrita, especializações da História, da Sociologia e da Antropologia, ao investigar e analisar, a primeira, as práticas históricas de leitura e escrita, a segunda, as práticas sociais de leitura e escrita, a terceira, os usos e funções da leitura e da escrita em diferentes grupos culturais.

Hoje o importante é responder a pergunta inicial da autora: acrescida de mais alguns questionamentos: Que grupos sociais estão hoje procurando a profissão de professores de Português? Que grupos sociais têm hoje acesso á escola fundamental e média, quem são esses para quem os professores que formamos ensinarão Português?

Magda Soares finaliza seu artigo comparando duas produções textuais:

Na primeira produção ela questiona que o texto do aluno obedece a uma estrutura formal direcionada pelo professor, mas ao mesmo tempo é um texto sem novidades, cheio de clichês em compensação o segundo texto e feito por um aluno que ela menciona ser do tipo que não presta atenção as aulas e acaba escrevendo um testemunho sem estruturação como a própria autora afirma: “O texto é marcado pela coloquialidade, como na topicalização: o cidadão… ele, que aparece mais de uma vez. O tom descontraído nem mesmo é prejudicado pelo uso do poder-se-ia, que não soou forçado”. Embora o texto apresente falhas na grafia tem muito mais substância.

Memórias Póstumas de Brás Cubas

memorias1

Introdução

Machado de Assis constitui, na galeria dos escritores, um dos melhores exemplos da alta expressão literária do Brasil. Intelectual arguto, sensível e crítico, apresentam em suas obras um olhar minucioso sobre o psicológico e o social do homem de sua época. Certos temas e motivos, idealizados na concepção romântica, foram desnudados e vergastados por Machado, que nunca dispensou a fina ironia para fazê-lo. Dentre os muitos temas trabalhados pelo escritor, pode-se destacar o da morte pela forma diferenciada como é tratado. Essa forma cria uma antítese em relação à maneira como o tema foi abordado no Romantismo, que se ocupou disso com uma pujança lírica, sôfrega, angustiada, religiosa e, deveras, sentimental. Machado de Assis revoluciona a concepção de romance no Brasil. São diversos os pontos que podem ser discutidos dentro dessa obra, muitos deles já feitos por críticos de renome. Tornam-se, porém, interessantes alguns olhares sobre a morte neste romance, uma vez que ela já se faz presente desde o título e a maneira como vem trabalhada desconstrói a imagem romântica

Publicado em 1881, Memórias Póstumas de Brás Cubas, além de inaugurar o Realismo brasileiro, apresenta as mais radicais experimentações na prosa do país até então. Narrado por um defunto, de forma digressiva e agressiva, o romance apresenta a vida inútil e desperdiçada do anti-herói Brás Cubas. Utilizando recursos narrativos e gráficos inusitados, Machado surpreende a cada página com sua ironia cortante e, acima de tudo, com a inteligência que prende até o leitor mais desconfiado. Antecipando procedimentos modernistas e descobertas da psicanálise, esta obra ácida e irônica de Machado de Assis eleva a literatura brasileira a um patamar jamais antes atingido.

A obra de Machado de Assis pode ser dividida em dois momentos bem distintos: as obras da juventude, com forte influência do Romantismo e seu progressivo amadurecimento, até chegar ao Realismo de suas obras da maturidade. Entre estas, as mais destacadas e consideradas são Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891) e Dom Casmurro (1899). Se os escritores românticos, José de Alencar à frente, conseguiram estabelecer o romance como um gênero literário de respeito no Brasil, foi Machado de Assis quem elevou a prosa brasileira ao nível das melhores escritas no mundo em sua época. Sua obra não almeja mais apenas divertir, moralizar ou afirmar valores nacionais, mas visa esmiuçar o espírito humano, refletindo sobre valores universais, sem jamais perder de vista a realidade brasileira.

O PRIMEIRO ROMANCE PSICOLÓGICO

Com Memórias Póstumas de Brás Cubas a literatura brasileira atingiu a sua maturidade. Marco inicial do Realismo, introduz o romance psicológico na Literatura brasileira. Nesta obra, Machado de Assis desloca o foco de interesse do romance. O seu enfoque central não é a vida social ou a descrição das paisagens, mas a forma como seus personagens vêem e sentem as circunstâncias em que vivem. Em vez de enfatizar os espaços externos, investe na caracterização interior dos personagens, com suas contradições e problemáticas existenciais.